domingo, 30 de julho de 2017

Josephine Baker e sua tribo do Arco-íris

  A Vênus negra que abalou Paris 


Excêntrica  do meio da década de 20 , ao morrer, em 1975, havia sido escolhida símbolo da beleza negra do século XX.


Quebrou regras de comportamento, especialmente as relativas ao sexo, com amores multifacetados. 

Ao dançar vestida apenas com um saiote estilizado de cachos de banana, extasiou as platéias.
Esteve no Brasil em 1929,1939 (ainda é lembrada a apresentação no Cassino da Urca,no Rio de Janeiro), 1952 e 1963.
Sua maior tristeza era não poder ter filhos. Depois de dar à luz um natimorto, em 1941, sofreu uma ablação do útero.
Em 1947, casou-se com o músico de jazz francês Jo Bouillon e comprou o castelo "Des Milandes”, Dordonha, sudoeste da França.

 Ali o casal acolheu e adotou, ao mesmo tempo, 12 crianças órfãs de origens diversas - a Tribo do Arco Íris - propiciando trabalho a um exército de servidores e gastando toda a fortuna ganha na carreira.
Praticamente falida, aceitou a ajuda da amiga Princesa Grace de Mônaco que garantiu-lhe a sobrevivência com convites permanentes para participar de espetáculos e shows no Principado.  Mulher gloriosa, exemplo de coerência e dedicação que, para manter unida uma família iluminada pela chama da maternidade por adoção, tudo teve e tudo perdeu.
  
Exotismo e sedução
  Filha mais velha do pobre casal Eddie Carson e Carrie Mac Donald, Freda Josephine McDonald nasceu em 3 de junho de 1906, em St Louis, Missouri.
Saiu de casa aos sete anos para trabalhar como empregada doméstica na casa de famílias brancas.
Autodidata, aos dez ganhou o primeiro concurso de dança. Sofreu abuso sexual no ultimo emprego. A pobreza famlliar - e o já endêmico racismo na sociedade Americana- fizeram com que a mocinha procurasse um jeito de escapar do doloroso pano de fundo.

Não foi possível dar fim legal ao casamento, aos 13 anos de idade, com um conterrâneo chamado Willie Wells. As leis do Missouri não o consideraram válido, pois a noiva era menor.
Em 1920, com o nome artístico de Josephine Wells, começou a fazer parte de um vaudeville itinerante.
Em 1924, aos 18 anos, a carreira floresceu. Participava do musical negro na Broadway The Chocolate Dandies, quando casou-se com Billy Baker, vindo de uma família negra de classe média alta, de quem aproveitou, para sempre, o sobrenome.
 Esta segunda ligação também pouco durou.  
Abalou Paris
  Josephine, agora relativamente conhecida, embarca para a Europa.
No dia 2 de outubro de 1925, vestindo no corpo escultural apenas com uma tanga de bananas, dançou um charleston - ritmo desconhecido na Europa - no quadro intitulado " La danse sauvage".
Em Paris ,homens e mulhetres caíram de amores pela beleza negra seminua que sacudia as platéias como estrela de La Revue Nègre, noTeatro dos Champs Elysées.
Escândalo imediato que abalou a Cidade Luz
A produtora da peça, Caroline Dudley Reagan, era branca, americana e obcecada com a idéia de levar a alma negra pelo mundo afora.

Joséphine tornou-se a musa cubista dos pintores e escritores (foi grande amiga de Langston Hughes, Ernest Hemingway, F. Scott Fitzgerald e Pablo Picasso) e despertou o entusiasmo dos parisienses pelo jazz e pelos ritmos sulistas americanos.
Viveu um romance tórrido com George Simenon (escrtitor belga radicado na França e criador do personagem “Detetive Maigret”) o que aumentou em, doses iguais, a veneração e o estupefaciamento na França colonial e racista de então.
Em 1927, em turnê pela Europa, tornou-se figura de destaque no elenco do Folies Bergère, onde dividia a cena com um leopardo, causando medo e sensação no público que passou a lotar espetáculos
Em 1931, gravou "J'ai deux amours, mon pays et Paris" composição de Vincent Scotto, mais tarde um hino da Resistência durante a 2ª Guerra Mundial. Em 1937,
Baker casou-se com o homem de negócios branco e francês Jean Lion.
Este casamento, que também durou pouco, foi fundamental para lhe conceder a cidadania francesa.
Tornou-se tão popular que foi poupada de qualquer represália pelos nazistas quando da ocupação da França, apesar da conhecida militância nos movimentos subterrâneos pela libertação de sua patria de adoção, que lhe valeu a Cruz de Guerrra  
A garçonete não sabia

Em 1963, usando o uniforme da França Livre com a medalha da Legion d’Honneur na lapela, foi a única mulher a discursar na Marcha de Washington, liderada pelo Reverendo Martin Luther King,Jr. Heroína na França, nunca teve a mesma reputação na terra natal.
Durante uma visita aos Estados Unidos, participando de um jantar, foi ofendida publicamente por uma garçonete afro-americana que, estranhando o sotaque afrancesado por décadas de ausência disse, ao servi-la: “Meu bem,você é uma merdinha.Fale na lingua maternal, a que sua mãe lhe ensinou”.

A moça não sabia, mas Josephine Baker já estava empenhada há mais de 20 anos na luta pelos direitos de seus irmãos de cor e havia acabado de receber uma ovação, de pé, no Carnegie Hall.

Em protesto contra o racismo, adotou doze órfãos : Akio (coreano), Janot (japonês), Luís (colombiano), Jarry e Jean Claude (canadenses), Moise (francês), Bahim (árabe). Marianne (francesa), Koffi (da Costa do Marfim), Mara (venezuelana), Noel (francês) e Stellina (marroquina). Atualmente, Jean Claude e Jarry gerenciam o restaurante “Chez Josephine” e o “Theatre Row”, na Rua 42, em Nova York, dedicados à memória da mãe.

Com certeza, a agressora verbal ignorava que Josephine sempre se recusou a participar de shows para platéias segregacionistas e que, graças a esta postura, os shows “mistos” começaram a acontecer em Las Vegas..
 O Castelo Des Milandes

A compra do castelo e a imensa despesa com a família e empregados acabou por minar a fortuna acumulada na carreira.

A Princesa Grace de Monaco, outra atriz americana expatriada vivendo na Europa, ofereceu-lhe moradia e condicões de trabalho.
Hoje, o Castelo é uma atração da Dordonha, com visitas guiadas.
Ali estão os esplêndidos cômodos e salas dedicadas ao show business, o guarda roupa da artista, prêmios e a trajetória da Tribo do Arco Íris.

Muitas fotos, lojinha de souvenirs, visita sequencial acompanhando as fases da vida da estrela e belíssimos jardins aguardam o visitante.
Josephine Baker ao morrer aos 69 anos, no dia 12 de abril de 1975, recebeu honras militares como heroína da França e seu corpo foi enterrado no Cemitério do Principado de Mônaco.

Falida financeiramente, deixou como herança o exemplo de uma vida dedicada à justiça social. ************************************************************************************

Nenhum comentário:

Postar um comentário