terça-feira, 28 de março de 2017

RU PAUL -Rainha de Manhattan

 

 

As bonecas Ru Paul foram criadas para a Integrity Toys pelo estilista Jason Wu, famoso pelas high fashion dolls collections.
Estas divsa em miniatura têm  aproximados 33cm e chegaram em seis estilos, ilustrando os diferentes estágios da carreira do artista  


   “Todos nascemos nus, depois viramos drag”

  Drag queen, afrodescendente de 1 metro e noventa e três que usa peruca loura  e também se apresenta no masculino como RuPaul Charles,  deu nova visibilidade ao transformismo  na arte popular  Nos anos 90, diva das discotecas, foi aclamada “Rainha de Manhattan” pelos Djs de Nova York.

Estrelou diversos filmes, tem um programa de radio de sucesso e, recentemente, estrelou uma campanha  da indústria de cosméticos M.A.C. Foi a primeira drag a se tornar supermodel. Tornou-se porta-voz da empresa e agora é a responsável pela coordenação do Fundo MAC para o combate à AIDS e apresenta seu próprio reality show, o RuPaul Drag Race

RuPaul Andre Charles, canta, compõe e atua. Nasceu numa família de trabalhadores da classe media baixa em 17 de novembro de 1960, em San Diego, Estados Unidos e aos quatro  anos já sentia fascinação  por Diana Ross  e Jane Fonda e as imitava em casa.
Com o divórcio dos pais, em 1967, passou a conviver  apenas com mulheres: suas amadas irmãs gêmeas sete anos mais velhas e com a mãe, descrita em sua biografia como “a maior drag quenn que eu já conheci”.
Aos 15 anos, RuPaul estava pronto para sair do armário e foi morar com uma irmã em Atlanta e, finalmente, livre da obrigação de fingir, se jogou no universo gay, trabalhando em espetáculos de transformismo e, nas horas vagas, distribuindo filipetas (panfletos de divulgação de eventos) nas proximidades de teatros.
Formou uma banda, a RuPaul and the U-Hauls, que se apresentava num estilo meio pauleira nos clubes novaiorquinos, especialmente no Pyramid Club. Participou, durante anos, do festival de dragqueens WIGSTOCK (trocadilho com o festival de Woodstock - Wig é peruca em inglês), o que lhe rendeu participação no documentário do mesmo nome, em 1995.

Em 1987, já morando em Nova York, começou a construir uma pequena mas significativa filmografia:  Crooklyn (1993) de Spike Lee,  The Brady Bunch Movie (1995) de Betty Thomas, B Wigstock: The Movie (1995) de  Barry Shils,  Blue In The Face (1995) de Wayne Wang, Beeban Kidron's To Wong Fo de Beeban Kidron, Thanks For Everything de Julie Newmar (1996) e, mais recentemente,   I'm a Cheerleader (2000)  dirigido por Jamie Babbitin no papel de  um ex-gay travestido “de homem".

Seus álbuns, Supermodel of the World (1993) e Foxy Lady (1996), foram remasterizados e -entre 1996 e 1998 - teve um programa diário de tv, recebendo  visitas famosas  como Cindi Lauper, Cher, Diana Ross (que imitava na infância) e  muitos astros, estrelas e  políticos famosos, sendo a primeira drag a apresentar um programa de entrevistas só seu.
Gravou com Elton John o sucesso Don't Go Breaking My Heart.
Assista o vídeo acima e à direita
 ****
 Em 2000,  narrou um documentário premiado The Eyes of Tammy Faye, um texto debochado sobre a  (des)importância  da pregação de pastores evangélicos, focalizando a figura de Christian Baker, de extrema direita, que se tornou sem querer um ícone drag. 
 Em   2004, assinou contrato com a emissora de radio  WNEW  de Nova York e produziu um novo CD  RuPaul: Red Hot. Uma das faixas "Looking Good, Feeling Gorgeous"  fez bastante sucesso  nas discotecas.
RuPaul escolheu um caminho para direcionar sua carreira.
Negro, gay assumido,muito alto, decidiu mudar a imagem do universo drag, muitas vezes agitado por brigas e disputas.
Prefere  passar uma  imagem amigável, que sempre agradou muito e permitiu que ele se tornasse uma celebridade.


********************
 RuPaul &  Elton John

Don't Go Breaking My Heart.

Clique aqui e curta:

Nenhum comentário:

Postar um comentário